Por que os cães brigam

Os cães podem brigar por situações variadas e motivos diferentes. A agressividade de um cão pode ser equilibrada desde que ele percebe no grupo a existência de uma chefia humana. É claro que os cães não nos distinguem da sua espécie, mas, podemos e devemos determinar como serão as regras da convivência.

Um fator muito comum e que gera briga entre os cães é o que chamamos territorialismo. Cães alfas e com pré-determinações para desenvolver instintos de liderança tentarão alcançar posições de controle e chefia dentro do seu grupo. Os atritos tornam-se constantes na medida em que eles tentam decidir quem vai controlar e ditar as regras. O humano nunca deve permitir isso.

Outra razão pela qual um cão vira agressor de um grupo é a insegurança. Toda defesa é gerada inicialmente por medo. Se ele se sente inseguro, torna-se acuado, e é provável que isso o faça ligar o seu instinto defensor.

Às vezes o ataque ocorre porque o cão quer se antecipar ao que está lhe causando o medo. Pode atacar outro cão, uma pessoa; quando alguém que não confia o manipula, ou simplesmente, quando toma um susto.

Um nível de descontrole e insegurança muito alto pode causar um comportamento agressivo nos cães. Para que o seu cão viva bem é muito importante que ele respeite você como chefe do grupo. Se você o fizer de forma clara e objetiva, o cão compreenderá o seu papel de seguidor e passará a respeitar todas as regras de maneira saudável e prazerosa. O cão adora ser seguidor, mas jamais aceitará a decisão de uma pessoa insegurança ou fraca. Se tornar firme é a melhor decisão que você pode tomar em relação ao seu cão. Isso o fará forte na visão canina, pois agindo assim, você o dará segurança e confiança. Deste modo, o cão tende a confiar que você enfrentará mesmo os maiores desafios por ele e, consequentemente, os motivos para brigas deixarão de existir.

Seja você o controlador de matilha. Faça seus cães mais felizes e tranquilos, e nunca se esqueça dessa regra: exercício físico, social e psicológico são a base para todo o equilíbrio.

*Colaboraram com o texto: Paolo Lobato, Vladimir Lobato e Francci Lunguinho